A caminhada cristã

Otto Dix - Sermon on the Mount (lithograph)Jesus não ensinava às pessoas o que crer nem o que fazer. Ele não deixou um livro de dogmática nem um código moral. Em vez disso, ele contava histórias, brincava com metáforas e distribuía abraços.

O suposto mestre do cristianismo, mais do que qualquer coisa, não se preocupava com discursos refinados e complicados, mas sujava suas sandálias com pó e sentia a textura da vida.

Jesus não queria criar uma nova religião, mas sim um ser humano novo, aberto ao incondicional. Ele convidava as pessoas a irem além da lei, da moralidade, das respostas simplistas e do dualismo, para que pudessem amar todas as pessoas, sejam elas amigas ou inimigas.

A verdade cristã, como já apontou Paulo Brabo, é uma pessoa com a qual nos relacionamos. E relacionamentos não cabem em enunciados lógicos. Parafraseando o Paulo, uma pessoa pode ser abraçada, mas jamais explicada ou entendida.

A fé ensinada por Jesus é uma postura diante do mundo. Ser cristão é ser do “caminho”, colocando os pés no chão e vivendo como Jesus viveu, totalmente aberto a Deus e ao Outro.

Para Jesus, mais importante do acreditar nas coisas certas, é amar todas as pessoas indistintamente. Ser cristão é uma caminhada.

Anúncios

Um pensamento sobre “A caminhada cristã

  1. Pingback: O jugo suave | Adair Neto

Os comentários estão desativados.